Dragon’s Den vs Shark Tank

sharktank

 

 

Shark Tank

dragonsden

 

Dragon’s Den

Somos fãs do Shark Tank (empreendedores vão ao programa fazer propostas de negócio para que os Tubarões invistam neles). Há ideias muito boas, outras que dão vontade de rir, e as conversas entre os Tubarões estão carregadinhas de sal e pimenta. Entretanto percebemos que também havia um programa canadiano do mesmo estilo, o Dragon’s Den, e começámos a devorar episódios. Não tem tanta piada quanto o Shark Tank em termos de criatividade. Mas compensa em ideias idiotas que nos fazem literalmente rebolar a rir. Ó, se compensa. Qualquer que seja a temporada, tenho só duas perguntinhas que ficam no ar para quem as quiser apanhar:

1 – Os canadianos são mesmo assim?

2 – O que é que se passa com os canadianos e as sanitas?

Do 8 ao 80 em poucos quilómetros

8. Fomos esta noite dar a nossa primeira vista de olhos ao L.Eclerc de Santa Maria da Feira desde que moramos na nossa casa. Não calha em caminho e fica uns quilómetros mais longe que o Continente e o Pingo Doce, cujas promoções costumam ser mais apetecíveis, mas um dos cunhados disse-nos que lá há o café que costumavam trazer da Suíça, por isso fomos espreitar. Ao fim de quase desistirmos – foi preciso um telefonema e uma pesquisa na Internet para confirmarmos o que queríamos -, lá o encontrámos. Pena foi que também nos deparámos, ao longo de quase todo o supermercado, com pacotes de tudo e mais alguma coisa abertos. Pacotes de cereais. De bolachas. De mousses de chocolate. De café. Uma verdadeira vergonha – quer em relação a quem rouba [e ou é um Houdini Lusitano ou estamos mesmo a falar de várias pessoas] quer em relação a quem tem a responsabilidade de zelar pela segurança do espaço e, em última análise, pela sua limpeza e organização. Não é só o L. Eclerc quem perde. É o cliente que quer trazer um produto intacto e não encontra e por isso não compra. É a marca que não é vendida e por isso também sai prejudicada [na imagem e no lucro]. Algo é urgente mudar.

80. De lá seguimos para o Continente de Santa Maria da Feira. Curiosamente, para ir comprar outro “café” que usamos muito cá em casa e está a 50% de desconto. Já estávamos na caixa quando um segurança intercepta, calmamente, o homem que estava atrás de nós. “O senhor comeu um chocolate, portanto vai-me acompanhar e vai ter de o pagar.” Saímos e ainda os vi – o caso a ser, pareceu-me, eficazmente tratado.

Em nenhum dos casos os roubos eram de bens de primeira necessidade, e para mim fome é muito diferente de fominha, portanto essa desculpa não cola. E isto mexe comigo por dentro e faz-me desbaratar durante 5 minutos no carro, em modo vira-o-disco-e-toca-o-mesmo. Há pessoas que deviam ter vergonha.